As startups são empresas recém-criadas, originadas de um grupo de pessoas que transformam ideias em oportunidades, geralmente em condições incertas. O conceito de Startup Enxuta foi desenvolvido por Eric Ries baseado em outros dois conceitos: Desenvolvimento de clientes (Steve Blank) e Manufatura Enxuta (Sistema de produção Toyota). Podemos definir a Startup Enxuta como a aplicação do pensamento enxuto a um processo de inovação.

Para criar o método foram analisados cinco princípios: 

  1. A abordagem pode funcionar em qualquer empresa. Seja ela de grande ou pequeno porte, afinal, os empreendedores estão por toda parte;
  2. Startup são desenvolvidas em contextos de incerteza, por isso, uma boa administração é fundamental para o funcionamento das empresas;
  3. Tudo o que é feito nas Startups gera aprendizado. Testes e experimentos devem ser frequentemente realizados para definir os próximos passos a tomar;
  4. Construir-Medir-Aprender: é o processo de construção da ideia ou produto, medir a reação dos clientes a ele e o aprendizado para decidir os próximos passos (continuar ou alterar?);
  5. Contabilidade. Trabalhar com o desenvolvimento das ideias e produtos é importante, mas deve-se também medir o progresso da empresa e estabelecer novos passos.

A partir dessas ideias, Erick Ries desenvolveu seu conceito e o dividiu em três partes: Visão, Direção e Aceleração. Podemos definir “visão” como o pontapé inicial para a criação e aplicação da Startup Enxuta, pois os empreendedores precisam ter bem claros as ideias e objetivos para criar seus negócios.

O item “direção” é baseado em duas hipóteses, valor e crescimento. Essas são as duas variáveis para conduzir uma startup e, a partir dos resultados, muda-se ou mantem a estratégia. Após traçar e analisar as variáveis, cria-se o MVP (produto mínimo viável), que permite que o ciclo construir-medir-aprender seja feito facilmente pois o produto é criado de forma rápida e econômica, que possibilita os testes com clientes. O valor real de uma startup não está na criação de produtos, mas sim na aprendizagem que essa produção irá gerar para os envolvidos e a instituição, de forma a desenvolver um negócio sustentável. A “aceleração” mostra como a startups podem crescer sem sacrificar tempo e agilidade.

A aplicação das etapas alinhados a uma constante repetição do ciclo (4º principio apresentado) Construir-Medir-Aprender encaminhará os empreendedores rumo aos seus objetivos, auxiliando em possíveis duvidas e incertezas sobre seu projeto e, consequentemente, o sucesso.