A educação mundial é pautada em diversas metodologias diferentes, cada profissional ou instituição se adapta a uma ou mais e realiza a aplicação dos conceitos em seus planos educacionais e salas de aula. Um dos maiores problemas disso é que as pessoas não utilizam as abordagens de maneira correta ou utilizam muito ao pé da letra e se esquecem que algumas podem estar ultrapassadas para os dias de hoje.

Cada pensador, filósofo ou educador desenvolveu sua teoria baseada em pesquisas, estudos e observações realizadas há dezenas ou centenas de anos atrás e, nesse período, muita coisa mudou. Visando as mudanças (sociais e tecnológicas), analisando os novos perfis de aprendizagem dos alunos e as possíveis defasagens das abordagens utilizadas, foram surgindo as então conhecidas: Metodologias Ativas.

Esse conceito é relativamente novo nos campos da educação e teve seus primeiros passos na Europa com a criação do método “Sala Invertida”. O principal objetivo das novas abordagens é tratar o aluno como personagem principal na aprendizagem, enxerga-lo como um ser ativo na construção do conhecimento, que precisa participar ativamente de todo esse processo para que ele seja significativo. Aliados ao conceito de sala invertida surgiram, também na Europa, as metodologias STEM e Cultura Maker, que ficaram conhecidas e passaram a ser utilizadas no Brasil após a comprovação de sua eficácia em outros países.

Vale ressaltar que as metodologias mais antigas não devem ser esquecidas ou ignoradas, elas também são fundamentais para todo o processo de aprendizagem. E, como dito anteriormente, algumas delas podem ser adaptadas pois possuem pontos que consideram o aluno como ser ativo na educação. Como por exemplo Vygotsky, que traz em sua teoria interacionista a constante participação dos alunos e Paulo Freire, pedagogo brasileiro que desenvolveu um método de ensino voltado totalmente sobre os interesses e vivência dos alunos, tendo assim, ligações frequentes com as metodologias ativas.

As metodologias ativas são a chave para a mudança educacional que o mundo precisa, inseri-las cada vez mais em ambientes educacionais fará com que o processo se torne uma via de mão dupla e auxiliando para que ocorra o desenvolvimento completo de cada aluno.