A Cultura Maker é uma pratica resultada da união de pessoas com os mesmos interesses, que enxergam defasagens em um certo produto (objeto ou assunto) e se unem para trocar ideias, desenvolver melhorias e possíveis soluções, para então compartilhar a ideia e facilitar a produção. As ideias obtidas através dos encontros são disponibilizadas por meio de programas, textos ou vídeos. O intuito é que outras pessoas tenham acesso e, dessa forma, ocorra a criação de novos projetos ou dispositivos. Após a criação da Revista Maker (2005) e da Feira Maker (2006), as propostas desta cultura ganharam força e o movimentou passou a ter muito mais visibilidade, atenção e apoio.

A utilização dessa cultura de aprendizagem em salas de aula nos dias de hoje é um grande auxilio na busca da formação dos jovens da geração Z. Não basta simplesmente impor aos alunos as matérias que julgam necessárias para aprender a teoria dos assuntos. Os tempos mudaram, o acesso as informações e tecnologias cresceram infinitamente e somente a teoria será desinteressante aos jovens. A cultura Maker surge para quebrar esses paradigmas e fortalecer a ideia de alunos ativos no processo de aprendizagem, que questionem, proponham e solucionem desafios, que estejam sempre em busca de inovações.

“Se você pode sonhar, pode realizar.” (Walt Disney).

Levando como lema um dos pensamentos mais famosos de Walt Disney, este segmento empenha-se em mostrar que o mundo é o que fazemos dele e que se você pode ter a ideia, você também consegue realiza-la. O resultado desse movimento é a construção e formação de indivíduos ativos. Não são apenas consumidores, são produtores criativos e conscientes, dispostos a compartilhar seus resultados para auxiliar em melhorias para todos.

O ideal seria que todo profissional utilizasse em seu dia-a-dia pelo menos um pouco de cada um dos métodos. Precisamos acabar com a criação e manutenção de seres passivos na sociedade e trabalhar juntos, entendendo os diferentes pontos existentes, ouvindo as propostas e necessidades de cada um, buscando soluções e, principalmente, aceitando as mudanças e se adequando para estarmos sempre preparados para as melhorias que isso pode nos trazer.